quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

JORGE VENTURA


http://www.jorgeventura.com.br/
DE ÁGUA PARA VINHO
JORGE VENTURA

Chego a saciar a sede ao beber tua noite.
Vinho tinto e rascante nas lentes da taça!
De alegria e carne exponho a boca cheia.
Todos os teus desejos são minha graça.

Mordo as horas, mastigo o tempo.
Descubro em cada gole o teu segredo.
Não querias um Deus junto a ti para brindar?
Alguém, de entre mitos, escolhido a dedo?

Tintim! Ouço o tilintar de nossos corpos,
volúpias derramadas (tua e minha).
A língua saboreia livre sem tomar fôlego.
Os mágicos prazeres vêm das vinhas.

Uma nova safra nasce neste instante.
Velho moinho em que fui trigo e ora pão,
te dou sustento à luz do deslumbramento.
Apresento o milagre da transformação!

Faço da farra e do amor o meu banquete.
Celebro a vida à mesa farta (uvas e nacos).
Nada mais sagrado, nada mais profano:
o Zé-ninguém de ontem é hoje o teu Baco!

In Coletânea Perfil APPERJ (Oficina Editores, 2005)

CULPA
JORGE VENTURA

Tecido raro
Última moda

Corpo coberto
de pano e culpa

Mentira e classe
Dono da rua

De mais a roupa
De menos o homem

In Antologia Ponte de Versos – 8 Anos (Editora Ibis Libris) – 2008


MARIONETES
JORGE VENTURA

Existe entre nós
um par com duas pontas
Cada qual com dois prós
cada qual com dois contras

Puxa-se uma corda daqui
outra dali
mãos e pernas atrapalham-se
emaranhadas
em movimentos manipulados
sabe Deus por quem

O vaivém dos gonzos
range aos limites estipulados
em meio a trapos  farrapos
e desculpas esfarrapadas

Duas marionetes sem brio
e a relação por um fio

In República dos Poetas - Antologia Poética (Editora Museu da República, 2005)

ORIGAMI
JORGE VENTURA

Quando a ideia me perturba
entre o barulho e o silêncio
tudo é um só contrassenso
Que inocência ou culpa
virá em vão me julgar
neste papel tumular?
Reparto em dobras meus textos,
discursos e manuscritos
(de abismos e de delírios)
nas páginas, palimpsestos

Reparto também a folha
Metade doutra metade
do que é múltiplo e arte
E antes que a ideia se recolha
e a angústia vire bolha
e o papel retorne seda
nas dobraduras das letras
o verso assim se desdobra
Pois toda palavra é obra
pra muito além do poema

In Antologia Poesia do Brasil – Volume 13 (Org: Ademir Bacca) – 2011

RITOS
JORGE VENTURA

desanoitece quando aurora
corujas viram passarinhos.

lençóis crepitam de quereres
ouvem-se urros e sussurros.

descobertas:

paixão é rito de barulhos
amor, de silêncios.

In Revista Literária Plural (Oficina Editores, 2010)

COSTURA
JORGE VENTURA

Para fechar ferida
Agulha e linha
Tua mão à minha
A costurar a vida

In Coletânea Terça ConVerso no Café – 4016 dias de Poesia (Edições Galo Branco, 2010)

IMPLUMES
JORGE VENTURA

em pleno sertão
o inaudível canto
dos anjos (meninos
de pó e poeira)

herdeiros das nuvens,
crentes, sobrevoam
mas sem que saibamos
seus sonhos em sépia

na lira do tempo,
o voo cego e implume

In Faca de Ponta, Fogo de Palha (Oficina Editores, 2012)

EXECUÇÃO
JORGE VENTURA

não se derrama o sangue
sem causa ou vingança
não se escreve à toa
quando se mancha a folha

nem em nome do Pai
tanto pranto se esvai
depressa como a tinta
maldita mágoa à míngua

no branco secular
do papel, a palavra
agoniza e se entrega
às honras do poeta

que, herói ou vilão,
quem dele sabe então,
ergue o sabre, sua pena,
e executa o poema

In Faca de Ponta, Fogo de Palha (Oficina Editores, 2012)

FOSSE A FACA, FOSSE O FOGO
JORGE VENTURA

Fosse a faca com seu brilho de prata
a imagem que se espalha pelo espelho,
mas o que se vê, rebrilha vermelho,
olho d´água de pranto: sangria vasta.

Fosse o leito do rio língua de fogo
a lamber feridas, salvar derrames,
mas o que se sente, já tarde e exangue,
é flagelo da carne, exposta em tocos. 

Fosse um só curso sem corte de lâmina
ou desnível de vida –  lume flúveo,
mas o que se vinga na luta em fluxo
ruma em desonra, desordem e infâmia.

Fosse a força vã de dois afluentes
o encontro de paz entre duas famílias,
mas o que se banha do abraço líquido
corre turva como almas turbulentas.
In Faca de Ponta, Fogo de Palha (Oficina Editores, 2012)

PONTO DE CRUZ
JORGE VENTURA

choro
a erosão
do tempo
traçado
em ravinas

sei do que é
deserto:
o caminho
do homem

a vida é trama
dedicada à seca

entrelaçam-se 
desmandos
desenganos
desenredos

no horizonte
de esperas
o sertão bordado
de mandacarus

escrevo meu rumo
no ponto de  cruz

In Faca de Ponta, Fogo de Palha (Oficina Editores, 2012)

MINI-BIOGRAFIA DE JORGE VENTURA

Jorge Ventura é poeta, ator, jornalista e publicitário. Atualmente, é Diretor de Comunicação Social da APPERJ (Associação Profissional de Poetas no Rio de Janeiro) e do SEERJ (Sindicato dos Escritores do Estado do Rio de Janeiro ). É também Cônsul Poetas Del Mundo (região Recreio dos Bandeirantes/RJ), Membro da SBPA (Sociedade Brasileira dos Poetas Aldravianistas) e Membro da IWA (Associação Internacional de Escritores e Artistas).

Além de performances e encenações poéticas, Jorge Ventura vem atuando nos principais saraus e movimentos culturais do sudeste e sul do Brasil. Publicou quatro livros: Turbilhão de Símbolos (Imprimatur, 2000), Surreal Semelhante (Imprimatur,2003), Sock! Pow! Crash! – 40 anos da série Batman da TV (Estudo Jornalístico | Opera Graphica,  2006) e Faca de Ponta, Fogo de Palha (Oficina Editores, 2012). Premiado em muitos concursos e festivais, como poeta e melhor intérprete, sua poesia está presente em dezenas de antologias, sites, jornais online e portais literários.


15 comentários:

  1. Parabéns pelos belíssimos poemas!!! Obrigada Naldo, por me ter dado a conhecer este excelente poeta seu amigo!Bem -hajam ambos, por nos deliciarem com tão eloquentes e poéticas palavras!! Recebam o meu abraço de amizade!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras elogiosas ao meu trabalho, Maria. A sua opinião é importante e a sua força um grande incentivo para mim. Fique à vontade para compartilhar com os amigos e poetamigos. Beijos, JV.

      Excluir
  2. Meus queridos amigos Naldo e Jorge. Este Blog está cada dia mais lindo. Sou fã incondicional do meu amigo Jorge, trabalho com ele em nosso DUO e me sinto privilegiada por conviver com a poesia única deste nosso grande poeta. Obrigada, obrigada, obrigada!
    Eurídice Hespanhol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha grande amiga e excelente poeta, Eurídice Hespanhol, com quem tenho a honra de partilhar um trabalho maravilhoso - o Duo Sem Fronteiras. Obrigado pela força de sempre, querida! Beijos, JV.

      Excluir
  3. Imponência total nessa foto de olhos de tigre dando bote (rsrsrsr)
    Belos versos, parabens ao blog por estar cada dia mais e mais completo.
    Beijos amigo Jorge Ventura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu comentário é tão imponente quanto a foto do poeta...rs Brincadeira à parte, querida Kedma, seu depoimento é um privilégio para mim. Obrigado pela força de sempre. Beijão, Jorge Ventura

      Excluir
  4. Salve Jorge!

    Salve senhor dos versos viscerais,
    de um talento estilístido singular. Salve pela descrição
    de vivências, pegadas, sentimentos que nos fazem querer mais
    mais e mais, tornando sua poética uma doce Ventura!
    Salve, Jorge Ventura!
    com toda admiração,
    Karla Julia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Karlinha, fiquei emocionado! Seu depoimento foi uma verdadeira homenagem. Sinto-me honrado com a sua participação. Beijo carinhoso, Jorge Ventura

      Excluir
  5. São tantas as habilidades que Jorge Ventura nos oferece, com seu estilo doce e bravo na medida e momento certo. E... Que olhos, hein!
    Sucesso sempre!
    Celi Luz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida poetamiga Celi, suas palavras sempre me dão força para seguir adiante. Sou grato pelo carinho, respeito e admiração. Beijão! Jorge Ventura

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Bonito,seus poemas são belos!
    Beijo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  9. Sandrinha, bonita, sua opinião significa muito para mim. Sinto-me honrado com o seu comentário. Beijão, Jorge Ventura

    ResponderExcluir